domingo, 2 de fevereiro de 2014

Repelente caseiro, que funciona!

Quando estávamos em Cartagena, a Eliane minha amiga do veleiro Líbero, que já estava em San Blás, me repassava as fofocas, informações sobre o lugar.

Uma das coisas que ela me avisou foi sobre os mosquitos maruís ou mosquito pólvora. Esse mosquito é micro, um pontinho preto bem pequenininho mas parece que os pestes têm dentes, afiados, porque vai doer assim lá longe… E coça, coça, coça, coça, até ferir.

Quando chegamos em San Blás, nas ilhas, os índios estavam aplicando uma espécie de fumacê mas creio que eles já estão imunes aos mosquitos. Não vimos um índio sequer com qualquer marca de mordidas. Quando estávamos na praia com os mosquitos atacando, os índios estavam tranquilões… Agora os estrangeiros, noooosssa, vimos cada ferida feia, de dar dó!

Soubemos de um casal de velejadores Alemães que foram para San Blás. A mulher engravidou e o casal foi “adotado” por uma família de índios Kuna que viviam em um lugar bem isolado. A velejadora, quis porque quis, fazer o parto normal na água do mar, assim como as índias fazem. Pois bem, ela pariu na água, o bebê nasceu saudável, até ir para terra. Em terra, o bebezinho foi tão sugado pelos mosquitos que passou mal, era alérgico e tiveram que ir imediatamente para Panamá City. Acabaram voando para a Alemanha e só retornaram para o barco seis meses depois. Parece que mesmo com repelentes, os mosquitinhos continuam a morder o bebezinho mas dessa vez os pais decidiram ficar em San Blás, até o bebê criar resistência. Coisas de velejadores… Uma das fofocas, histórias que rolam por lá…

Preparem-se para imagens agoniantes:

IMG_5497

IMG_5498

Tirei essas fotos somente das pernas de uma criança de uns sete anos mas ele estava com o corpo todo mordido. Até na cabecinha, que era raspada, tinha feridas. Essa outra família, um casal com dois filhos, também eram alemães (o sangue deve ser bom né?!), e quando tentei ensinar uma receita de repelente caseiro, os pais me responderam que não precisava, que as crianças já estavam se acostumando…

Graças a Eliane, eu corri atrás de uma receita de repelente caseiro que já tinha ouvido falar mas nunca havia usado. Peguei na internet, e funciona mesmo, além de ser bem mais barato que os repelentes normais.

Serve para tudo quanto é raça ruim de mosquito! Como se existisse raça boa..rs

Esse repelente caseiro na internet ganhou o nome de “repelente dos pescadores”:

Ingredientes:

  • 500 ml de álcool
  • 10 g de cravo-da-índia
  • 100 ml de óleo de amêndoas, mineral ou outro qualquer (eu usei óleo para bebês)

Modo de preparo:

Coloque o álcool e o cravo da índia num frasco escuro com tampa ao abrigo da luz por 4 dias. Mexa esta mistura 2 vezes por dia, de manha e à noite. Coe e junte o óleo corporal, agitando ligeiramente. Coloque o repelente num recipiente spray e aplique na pele diariamente.

Modo de uso:

Pulverize o repelente caseiro em toda região do corpo exposta ao mosquito, como braços, rosto e pernas, e reaplique o repelente sempre que praticar esporte, suar, ou molhar-se. O tempo de duração do repelente na pele é de 4 horas.

O cravo da índia é rico em óleo essencial e em eugenol, uma propriedade inseticida que afasta mosquitos, moscas e formigas.

Fonte: site Tua saúde

Testamos e aprovamos! Polegar para cima

Comentários
1 Comentários

1 Comentário:

randolfo filho disse...

Excelente, principalmente para pessoas alérgicas ao repelente de farmácia, usei o álcool de cereais, ficou ótimo, Gratidão pela dica.

Postar um comentário

Estamos viajando e não temos uma conecção a internet fixa a bordo.
Por esse motivo, certamente seu comentário demorará a ser postado, poderá não ser respondido, mas será lido.
Se ainda assim, quiser comentar fique a vontade!